Change Your Life

Sinopse: Com sete anos ela descobriu o amor pelo música. Aos vinte e três chegou ao topo da carreira. Para realizar seu sonho e alcançar seus objetivos, ela precisou seguir regras, se abster de algumas regalias.
Regalias essas que ela está cansada de não poder aproveitar. Deixar de seguir as regras pode acabar lhe trazendo grandes problemas, especialmente quando ela resolve se envolver com um ator de uma série teen.
Gênero: Romance
Classificação: 14 anos
Restrição: Você tem um caso com o Chris Evans.
Betas: Bridget Jones (capítulos 1 e 2); Elena Alvarez (capítulo 3 em diante)

Capítulos:

 

Capítulo 1
cresceu escutando “Tudo que vem fácil, vai fácil”, nunca deu muita importância para isso, sempre batalhou muito pra conquistar tudo que desejava e hoje um de seus maiores sonhos é realidade: ela havia se tornado uma cantora de sucesso mundial. Sua paixão pela música veio aos sete anos e desde então se dedicou totalmente a isso, saiu de Seattle aos 16 anos para assinar contrato com a gravadora Island Records em Los Angeles e então sua carreira só subiu, mas tudo tinha um preço. Quando saiu de Seattle, deixou sua mãe, Lauren, e seu melhor amigo, Bryan para trás.
Aos 23 anos, ela havia chegado ao topo, estava em seu último show da turnê mundial, seu último CD ficou em primeiro lugar no Itunes em 99 países, era referência em moda e modos porque toda adolescente queria ser como ela, mas para não era bem assim. Conforme a fama foi aumentando, o peso das responsabilidades também. Ter cada passo seu vigiado era estressante e estava chegando ao limite com isso.

I fell through the hole
Eu caí no buraco
Down at the bottom of your soul
Para o fundo da sua alma
Didn’t think you could go
Não pensei que você podia ir
So low
Tão baixo
Look at what you’ve done
Olhe o que você fez
You’re losing me
Você está me perdendo
Here’s what you’ve won
Eis aqui o que você ganhou
Got me ready to go
Você preparou para seguir
Solo
Solo

terminou de cantar com todos aplaudindo veemente.
– Eu queria agradecer a todos que estão aqui hoje. Obrigada por fazerem parte da minha vida, por apoiarem essa maluca aqui. – fez um gesto, apontando para si mesma. – Eu amo muito vocês e agora, para encerrar, vamos cantar really don’t care. – Todos gritaram e se empolgaram com a batida da música.

You want to play, you want to stay
Você quer brincar, você quer ficar
You want to have it all
Você quer ter tudo
You started messin’ with my head
Você começou a mexer com a minha cabeça
Until I hit a wall
Até eu enlouquecer
Maybe I should’ve known
Talvez eu devesse saber, talvez eu devesse saber
Maybe I should’ve known
Talvez eu devesse saber, talvez eu devesse saber
That you would walk
Que você sairia
You would walk out the door
Que você sairia pela porta

deixou o palco, com todos aplaudindo e gritando por mais uma. Ela até voltaria, mas suas cordas vocais estavam pedindo um descanso. Anthony, seu empresário, estava esperando-a logo na saída do palco para parabenizá-la, afinal, acabara de fazer uma de suas melhores performances e era seu último show de uma turnê mundial extremamente longa.
– Vem cá, minha garota! – Anthony disse, envolvendo a menina em um abraço. – Estou orgulhoso, você foi maravilhosa lá em cima.
– Obrigada, mas eu acho que poderia ter sido melhor, principalmente quando tive que improvisar no violão. – Bufou , se desvencilhando do abraço e indo em direção ao camarim. – Finalmente vou ter um pouco de descanso, estou precisando – disse a garota, com um olhar sugestivo para Anthony.
– Eu sei o violão foi algo à parte, vamos consertar isso. E quanto ao seu descanso, serão apenas alguns dias de folga porque tem que começar a trabalhar no seu novo CD. A gravadora está contando com isso.
bufou e pegou uma garrafa de água que estava na mesinha, bebendo-a toda.
– Eles podiam me dar férias. Eu sou humana, Tony, mereço férias! – disse, indignada. – Eu quero ver minha mãe, tem meses que não a vejo.
– Eu sei, , mas estou cumprindo ordens e você vai vê-la, já está tudo acertado da sua viagem. – Tony sorriu de leve, vendo a menina afundar na cadeira e resmungar algo do tipo “quero sumir”.

XX
acordou com a claridade que vinha da janela, se xingando mentalmente por não ter fechado as cortinas do quarto. Com certa dificuldade, ela se dirigiu ao banheiro para tomar um banho e acordar de vez, afinal, tinha alguns dias de folga e queria aproveitar ao máximo. Foi pra cozinha e viu que não havia nada pra comer, apenas uma caixa de suco. Tinha que ser aquilo! Depois de correr passaria em algum lugar discreto e comeria algo. Entrou em seu carro e dirigiu até um parque não muito longe dali, mas longe o suficiente para que ninguém a incomodasse e ela pudesse fazer uma corrida tranquila. Logo que desceu do carro percebeu que o parque estava completamente vazio. Melhor assim! Ela queria um pouco de paz da loucura que era sua vida, queria se sentir uma pessoa comum, sem ninguém pedindo autógrafos ou tirando fotos, queria apenas correr e espairecer.
Quando estava prestes a ir embora ela sentiu seu celular vibrar e viu que era uma mensagem de sua mãe, perguntando como foi o ultimo show da turnê. Quando foi responder sentiu alguém batendo nela com força e derrubando seu celular.
– Meu Deus, toma cuidado! – disse , com o tom de voz um pouco alterado. O rapaz que esbarrou nela logo se agachou para pegar o celular, olhando se não havia quebrado.
– Me desculpe! – disse o homem. – Eu estava correndo e me distrai com o rapaz do outro lado tirando fotos – disse apontando para o paparazzi do outro lado do parque. logo se virou rapidamente, tentando esconder o rosto.
– Eu só queria correr sem ser vigiada. – Bufou a garota, estranhando a expressão no rosto do rapaz.
– Ei, espera! Você é Clarke?! – ele disse com um tom de espanto e a garota logo concordou.
– Me desculpe, mas eu tenho que ir.
– Tudo bem. – disse , acenando e vendo a garota entrar no carro.
parou em uma lanchonete não muito longe dali, mas estava vazia e parecia ser bem discreta, e ela estava morrendo de fome. Logo que entrou, a garota ouviu alguns sussurros do tipo “aquela é , a cantora?”, “Meu deus, é a !”, e acabou optando por sentar em uma mesa um pouco mais afastada. Não demorou muito para que a garçonete fosse anotar seu pedido.

XX
No caminho até seu apartamento, resolveu passar no supermercado e comprar alguns mantimentos. Logo que chegou em casa foi direto tomar um banho, queria descansar o resto da tarde, pois a noite deveria comparecer à um evento beneficente. ligou o chuveiro e ficou um bom tempo deixando a água apenas cair, só então foi se lembrar do ocorrido de mais cedo com o rapaz no parque, de como ele era charmoso e simpático. Assim que terminou o banho escutou seu celular tocar. Era Anthony. sabia que estava ligando provavelmente para lembrá-la do evento à noite.
– Oi, Tony.
, tudo bem ? Que demora para atender esse telefone!
– Eu estava no banho, Tony! O que foi?
– Abre a porta, eu esqueci a chave reserva e estou há meia hora apertando essa campainha! Temos que conversar – ele disse em um tom pouco elevado e desligou o celular, indo em direção à porta.
– À que devo as honras? – Perguntou, abrindo a porta e logo saindo para se jogar no sofá.
– Isso me trouxe aqui! – entregou o Ipad para a menina. – Eu quis te mostrar logo porque sei como você reage quando saem noticias desse tipo sobre você.
A garota olhou a reportagem e logo assimilou, fazendo uma cara de espanto e soltando um “ai meu Deus”.

“Será o começo de um novo casal na nossa querida LA?
Essa manhã a cantora Clarke e o ator se esbarraram durante suas corridas matinais. O ator, que por sua vez não costuma ir ao parque, resolveu aparecer hoje e acabou esbarrando com a cantora por acidente, derrubando o celular dela no chão. A cantora pareceu não gostar do esbarro e já estava pronta pra xingar quando nosso querido pegou o celular da moça do chão e a entregou, provavelmente pedido desculpa. Logo em seguida (como nas imagens abaixo), a cantora esboçou um sorriso e fez o mesmo. Depois de algumas trocas de palavras eles se despediram e a cantora seguiu seu caminho, entrando no carro.”

Assim que leu a notícia, começou a rir, entregando o Ipad para Tony.
– Eles não tem mais o que inventar! Eu apenas esbarrei com ele, Tony. Aliás, ele esbarrou em mim, eu fui correr e quando estava indo embora ele passou feito um furacão, derrubou meu celular, se desculpou e eu fui embora. Nem sei quem ele é! Sabe que a mídia é cheia de criar caso, Tony. E mesmo que eu conhecesse, não teve nada demais, foi apenas conversa.
– Mas , você sabe que eles são cheios de te colocar como casal de alguém. Esse tipo de coisa aqui.. – apontou para o Ipad – Só rende assunto.
– Eu sei, Tony, e odeio isso. Acho que minha vida amorosa os incomoda mais do que qualquer outra coisa. – Bufou a garota, impaciente. – E outra, Tony, isso vai acabar morrendo como sempre. Por que eles simplesmente não conseguem aceitar que sou uma mulher independente e que não dependo de homem para nada. O povo tem mania de achar que mulher tem que ter um homem sempre ao lado, como se isso fosse regra, eu estou bem solteira. Se aparecer alguém e eu achar que dá para rolar algo, ótimo! Se não, Tony, eu vou seguir minha vida. Não vou ficar esquentando cabeça com esse tipo coisa – disse por fim, suspirando e mordendo a maçã.
– Que bom que você pensa assim, eu sei como se sente sobre isso tudo, a exposição, e eu sinto muito, .
– Ah, Tony, é da profissão! Eu escolhi cantar, fui atrás da minha fama, do meu sonho, a exposição vem no pacote. Amo o que faço, você sabe disso. – O homem concordou com a cabeça.
– Bom, , mudando de assunto: a Jenny vem mais tarde te trazer o vestido do evento, esteja pronta às seis horas. Se eu chegar e você não estiver pronta eu te esgano – disse Anthony, se despedindo da garota com um beijo no rosto.
aproveitou a tarde para dormir e acabou acordando apenas com a campainha tocando. Arrastou-se até a porta e, quando abriu, viu que era Jenny, sua Personal Stylist, acompanhada de Lisa, sua maquiadora.
, sabe que horas são? O Tony vai te matar! Achei que chegaria aqui e você já estaria praticamente pronta, só faltaria colocar o vestido.
– Calma, Jenny! Me diz primeiro que horas são? – perguntou sem muita animação. Ela não se sentia a fim de ir ao evento, estava cansada, mas tinha que comparecer. Era amiga do organizador do evento e seria desfeita não aparecer.
, são cinco e meia! Daqui a pouco o Tony chega e você não está pronta. Ele vai matar nós duas.
– Tá bom, tá bom! Vou tomar um banho rápido – disse por fim, indo para o quarto.
A garota tomou um banho rápido, afinal, não tinha muito tempo. Lisa fez uma maquiagem básica, nada muito elaborada, e quando estava secando os cabelos da garota, Tony gritou da sala que estavam atrasados. acabou escolhendo um vestido longo azul marinho e salto alto, se olhou no espelho e viu que estava pronta. Era o melhor que elas iriam conseguir com um tempo tão pequeno.

XX
Quando chegou ao evento, ela acabou tendo que dar uma rápida entrevista. Desceu do carro para algumas fotos e se direcionou à repórter para responder algumas perguntas.
– Você está linda, ! Está saindo de uma turnê mundial agora, então quais são os planos?
– Obrigada! Acho que agora é dar uma descansada e voltar a compor. Tenho alguns projetos que ainda não saíram do papel, são coisas para acontecer mais para frente.
– Como é estar em um evento assim, sabendo que toda a renda será convertida para crianças com uma necessidade maior?
– Eu fico lisonjeada de ser convidada para eventos desse tipo, é sempre bom saber que seus atos podem ajudar crianças por todo o mundo. As crianças são o nosso futuro e muitas delas vivem em situação precária por vários pontos do planeta, então eu particularmente acho que deveriam fazer mais eventos como esse. São coisas assim que mostram que a humanidade ainda tem um pouco de esperança.
– Agora mudando de assunto rapidinho. Você sabe que vai estar no evento? E como fica o coração? Saiu uma matéria hoje especulando sobre vocês. – sorriu educadamente e soltou um suspiro.
– Olha, eu não o conheço tão bem para dizer algo. Quer dizer, sei que ele é bonito, isso ninguém pode negar, nem eu nego, até porque não sou cega. – A repórter riu junto com . – Mas não tem nada amoroso. Nem o conheço, gente, vocês inventam demais!
A repórter sorriu para , pronta para fazer outra pergunta, quando Tony disse que ela não iria responder mais nada. Eles entraram no lugar e logo se encantou com a decoração e tudo mais. Um garçom veio lhes servir o champanhe.
– Obrigada por me tirar de lá, Tony, achei que ela fosse ficar naquilo por mais tempo.
– Você se saiu bem, respondeu a verdade, manteve a calma, isso é o que importa. – Sorriu para a garota, bebendo um pouco do champanhe. – Agora dê uma volta pelo evento, cumprimente conhecidos e, claro, o anfitrião. E tenha juízo!
– Já está comigo. – Riu, levantando a taça.
conversou com alguns presentes ali, riu um pouco, mas ela estava incomodada com algo, queria saber se realmente estaria lá àquela noite. Ela não entendia o motivo da curiosidade, mas se pegou rindo enquanto se lembrava do breve encontro dos dois naquela manhã.
– Não acredito que você veio. – Seus pensamentos foram interrompidos por uma voz masculina. – Achei que você não viria, !
– Até parece, querido, amo quando me convidam para eventos assim, até porque quando Robert Downey Jr. te chama para um evento desse porte, você não pode negar. – Riram juntos.
– Acho que vou te adotar. – O homem a abraçou. – Você é sempre tão simpática e linda. Bem, quero te apresentar uma pessoa, um amigo, alguém que com certeza você vai pirar, mas não muito porque é uma dama e eu também estou te devendo esse encontro há meses – ele disse, colocando a mão nas costas da cantora e a direcionando para o lugar onde estava seu amigo. travou um pouco quando viu quem era e cochichou.
– Aquele é o Chris Evans? – Downey apenas concordou com a cabeça. não pôde falar mais nada, pois o ator já tinha os visto.
– Evans, essa é minha amiga/filha que comentei com você mais cedo – disse rindo. – Ela é uma fã sua.
– Prazer em te conhecer. , não é mesmo? – disse Evans, sorrindo e a cumprimentando com um beijo no rosto. – Robert falou bastante de você.
– O prazer é todo meu, Chris. E sim, sou uma fã sua, muito mesmo. – Os rapazes riram da empolgação da menina.
– Bom, posso dizer o mesmo de você, sua voz é linda. – O rapaz sorriu, galanteador.
– Vou deixar vocês conversando e vou falar com o restante dos convidados. Fiquem à vontade! – Downey disse e os deixou sozinhos, conversando.
– Downey disse que você ama se envolver em coisas assim!
– Ah sim, amo me envolver com isso, sinto que além de ter nascido para a música, também nasci para ajudar as pessoas. – Sorriu discretamente.
– Além de linda e simpática ainda é generosa, acho bonito de sua parte fazer isso. Eu tenho uma fundação chamada Christopher’s Haven, você deveria aparecer no hospital, as crianças vão amar te ver.
– Está me deixando sem graça, Evans. – Sorriu. – Seria um prazer fazer uma visita, podemos marcar qualquer dia desses.
– Até com vergonha fica linda. – Sorriu ao ver corar. – Assim eu me apaixono! – Riu da reação da garota. – Ok, eu parei, mas vamos marcar sim. Será um prazer ter alguém como você lá. – Riram e continuaram conversando sobre coisas aleatórias.
O resto do evento foi tranquilo, passou a maior parte conversando com Evans e conhecendo mais algumas pessoas, Tony acabou indo embora mais cedo, então estava sem carro. Estava prestes a ir embora quando acabou encontrando , que foi cumprimentá-la.
– Oi, , finalmente te achei! – Sorriu, estendendo a mão para a garota, que sorriu de volta.
– Oi, , estava me procurando? – Olhou para ele, surpresa.
– Bom, digamos que sim. Eu queria pedir desculpas pelo mal entendido hoje de manhã e também pela reportagem que saiu.
– Ah, tudo bem. Isso sempre acontece, esquenta não! Não sabia que você era amigo do Downey! – Disse surpresa.
– E não sou, quer dizer, nos conhecemos em um evento ou outro, mas não temos uma intimidade tão grande assim. – Riu sem graça. – Sei que vocês são bastantes amigos, não é mesmo?
– Sim – disse, simplesmente.
– Com licença, ? – Se virou para ver quem era, se deparando com Evans. – Estou indo embora, vim me despedir.
– Bom, vou deixar vocês conversarem. Foi um prazer te rever, se despediu com um beijo no rosto.
– O prazer foi meu, até qualquer hora. – Sorriu. – Então, senhor Evans, já está indo mesmo?
– Sim, senhorita Clarke – disse engrossando a voz e logo riu. – Já está ficando tarde. Você já vai também?
– Bom, eu não sei, acho que sim. Por falar nisso, posso pedir uma coisa? – disse, mordendo o lábio inferior e vendo o rapaz assentir. – Será que você poderia me dar uma carona? Só se não for te atrapalhar. Meu empresário foi embora e disse que iria mandar o motorista, mas até agora nada.
– Mas é claro, não me incomoda em nada. Vamos? – Estendeu o braço para a garota, que logo o segurou.
Despediram-se de Robert e saíram sobre vários flashes, já sabendo que aquilo renderia muito nos jornais no dia seguinte. O caminho até seu apartamento foi tranquilo, eles conversaram e riram bastante.
– Bom, chegamos. – Evans parou o carro no estacionamento do prédio de .
– Obrigada por ter me trazido e desculpa por ter tirado você do seu caminho. – Sorriu – Foi um prazer te conhecer, sua companhia é muito agradável.
– Olha, o prazer foi meu, . Digo o mesmo da sua companhia, é bom conhecer alguém tão divertida e simpática como você. – Sorriu, olhando a garota nos olhos.
Ficaram em um silêncio por alguns minutos que pareceram horas, aquilo não foi nada desconfortável e sentia algo estranho e bom quando olhava naqueles olhos azuis, ela sabia que iria se arrepender no dia seguinte, mas Chris Evans estava ali na sua frente, não custava nada perguntar se ele queria subir e beber alguma coisa.
– Então, Chris, você quer subir e sei lá beb… – Foi interrompida pelo rapaz.
– Sim, eu quero! – Disse rapidamente. – Quer dizer, v-você ia me chamar pra beber algo, não é? – Passou a mão pela cabeça, nervoso, enquanto sorria discretamente.
– Sim, estou chamando. Vamos?
Entraram no elevador e um silêncio se instalou novamente, só que dessa vez desconfortável, alguém sempre ia abrir a boca para dizer algo e então desistia na mesma hora.
– Bem vindo à minha humilde residência – ela disse, dando passagem para Evans entrar. – Fique a vontade! O que quer beber? Uísque, vodca com soda?
– Acho que vou de Uísque – ele disse, observando o apartamento. – Até que você tem bom gosto pra decoração.
– Obrigada. – Gritou da cozinha. – Bom, aqui estão os copos e a garrafa de Uísque para dividirmos.
– Tá querendo me embebedar? Menina má! – Disse Evans, rindo enquanto colocava o Uísque nos copos.
– Não, imagina! Quero que você se lembre de tudo amanhã. – disse com um sorriso de lado, bebendo um pouco do líquido de seu copo. – Foi uma piada, tá bom? Não pense nada de mim que seja negativo.
– Nossa, que direta! Bom, eu acho que vamos ter problemas com isso, pois você tem uma carreira a zelar. – Disse, rindo. – Estou brincando, mas você sabe que amanhã vão ter várias fotos nossa em sites de fofoca porque viram a gente saindo do evento juntos. Vão dizer que eu te corrompi, eu vou ser o mal. – Os dois riram juntos.
– Eu sei. – Disse, rindo. – Sabe, Evans, desde que entrei nesse meio, que minha vida passou a ser pública, meio que me privei de muita coisa, sempre andei na linha. Nos últimos dias eu venho pensando bastante nisso e acho que vou deixar essa coisa de menina inocente pra trás.
– Realmente você tem uma imagem de menina inocente e querer deixar isso para trás é bom. Acho que quando se entra nessa vida dos holofotes, e vou dizer isso por experiência própria, a gente se priva de determinadas coisas, acabamos não sendo felizes. Quero dizer, de que adianta fama, dinheiro, se não somos felizes? Por isso dizem que dinheiro não traz felicidade.
– Pois é, eu concordo com esse ponto, sempre fui instruída a não dar ibope. “Ande na linha, não vire notícia”. – Riu, sem vontade. – Mas durante essa última turnê eu meio que acordei para a vida, sei que custei a chegar onde estou e que isso não é nem perto de onde posso chegar, quero fazer algo diferente, sair da linha uma vez na vida. Não quero fazer nada que leve minha carreira por água abaixo, mas quero fazer coisas que diga quem realmente sou ou então que simplesmente me deem vontade, sabe? Como se o amanhã não importasse – disse, rindo sozinha. – Ai, me desculpa. Te chamei para beber e fico reclamando da vida.
– Não, , até parece! Eu gosto de conversar com você. Aliás, te conhecer foi o ponto alto do meu dia, sabia? E você está certa, tem que parar de se prender tanto, viva como se fosse seu último dia na terra, mas não faça nada que estrague o que conquistou, ou não faça nada que eu faria – disse, rindo.
– Ah, pode deixar! Como se você fizesse coisas horríveis, não é mesmo? – Riram juntos. – Sabe, foi muito bom te conhecer, espero que isso seja o começo de uma amizade.
– Claro, , uma bela amizade. Mas só isso ou teremos alguns benefícios? – Disse, rindo de canto.
– Meu Deus, Evans! – Deu uma tapa no ombro do rapaz. – Depois eu que sou a direta.
– Você não tomou a iniciativa, então tive que agir. – Riu. – Estou brincando, já vou embora, está muito tarde. – Disse, se levantando. – Vamos trocar nossos telefones para mantermos contato?
– Claro que sim! Me dê seu celular que eu anoto. – Entregou seu celular para o rapaz. – Te acompanho até a porta.
– Obrigada pela companhia, tenha uma boa noite – Evans disse, já do lado de fora do apartamento, dando um beijo na bochecha de .
– Até mais! – Disse a garota.
Eles trocaram olhares por um tempo, calados, nenhum dos dois queria se despedir, Evans não queria ir embora e queria que ele fosse. Foi quando ameaçou dizer algo que tudo aconteceu. Evans a beijou com urgência, como se estivesse esperando a noite toda por aquilo, e ela logo retribuiu, o puxando para dentro do apartamento novamente.
– Isso é muito errado, Chris – disse entre um beijo e outro. – Mas eu acho que vou adorar o errado.
– Ah, você vai amar o errado – disse Evans, pegando no colo e a levando em direção ao quarto.

 

 

Capítulo 2
acordou sentindo o peso do braço de Evans a abraçando, mas quando tentou se mexer ele a apertou mais contra seu corpo. Ela ficou alguns minutos parada, pensando no que faria para sair de lá sem acordá-lo, até que viu que não tinha alternativa, teria que sair daquele jeito mesmo.
– Não, deita aqui, – disse manhoso. – Você está tão quentinha.
– Já passa das onze, Chris – disse, colocando a camisa que o rapaz usava noite passada e indo para o banheiro fazer sua higiene matinal. Logo que saiu se deparando com Evans ainda dormindo.
– Chris, se levanta! Você tem que ir embora, eu vou viajar ainda hoje.
foi para a cozinha fazer um café forte e tomar um remédio, sua cabeça estava explodindo, então a porta do seu apartamento foi aberta e se deparou com Anthony surpreso.
– Nossa, a noite foi boa, hein? – Apontou para a roupa da menina. – O rapaz ainda está aí?
– Está dormindo. – disse, meio receosa. Será que não havia saído nenhuma notícia de ontem? – Aconteceu algo? – O olhou com o cenho franzido
– Não, você viaja hoje. Vim ver como está – disse Tony, estranhando a reação da menina. – Já mandei prepararem o jatinho.
– Está bem, vou só tomar um banho e a gente vai à gravadora para a reunião.
– Certo eu te espero. Vai me contar quem está com você?
– Tem ninguém não! Quer dizer, tem, mas não é ninguém importante. – Tomou um gole do café.
– Assim você magoa meus sentimentos, – disse Evans, aparecendo na cozinha só de boxer.
– Bom dia. – Sorriu, beijando a garota
– Evans? – Tony olhou, confuso. – Essa me pegou de surpresa.
– Tony, eu posso explicar.
– Explicar o quê? – Disse Evans, meio confuso. – A gente fez sexo como dois adultos fazem normalmente. – Disse colocando o pão na torradeira.
– Que vocês fizeram sexo eu sei. – Disse Anthony. – Mas jamais imaginei que pudesse ser você. – Riu – Bom, vou te esperar lá embaixo, foi tomar um banho enquanto Evans aproveitou e tirou mais um cochilo.
– Chris, acorda! Você tem que ir embora.
– Não quero. – Virou para o outro lado e acabou levantando porque percebeu que a garota não iria desistir. – Não precisa me expulsar – disse rindo enquanto se vestia.
– Não estou te expulsando – disse a garota, o acompanhando até a porta já que ela também tinha compromissos a cumprir.
– Então é isso! – falou com um tom um pouco indignado. – Vamos repetir a dose, né?
– Não, Evans, sem mais doses – disse rindo e entrou no elevador. – Foi lance de uma noite.
– Acho que alguém está aprendendo a aproveitar a vida até demais – disse rindo, sem graça. – Não fala assim, isso chateia sabia? Quer dizer, você gostou, né?
– Claro que gostei, mas não podemos repetir.
– Por que tá me dispensando? – Olhou nos olhos da garota. – Vai dispensar tudo isso? – Apontou para o próprio corpo, rindo.
– Vou sim – a garota disse rindo e saiu do elevador, que parou no estacionamento do seu prédio. – Me desculpa, Chris, mas fica para uma próxima.
– Tudo bem, ! Continuamos amigos, né? – disse o rapaz, com um sorriso no rosto.
– Claro, Evans, ainda amigos. – observou Tony a esperando no carro.
– Ótimo, mas com benefícios, né? – A garota fez menção em responder, mas Evans não deixou. – Ótimo! Amigos com benefícios. Até depois, – deu um selinho nela e saiu andando em direção ao seu carro.
– Vou pensar no seu caso, Evans! – Gritou para o rapaz e saiu em direção a Tony.
– Está pronta? – Perguntou Tony.
– Sim.

XX
Ao chegarem à gravadora, já estava com alguns planos em mente, sabia que a reunião poderia definir muita coisa, então se era para mudar, a hora era aquela.
– Oi, gente – disse Maggie, ao ver e Tony.
– Bom, vamos decidir isso logo. – Disse Mark, o diretor da Island Records. – Queremos que você comece a compor as músicas para o novo álbum, acho que Anthony já deve ter te avisado sobre isso. – concordou com a cabeça. – Serão sete músicas, certo?
– Certo – disse Anthony.
– Errado. – rebateu. – Não vou fazer um álbum com sete músicas, isso é ridículo!
– Desculpa – disse Mark. – Até onde sei, eu pago seu salário, mocinha, então se eu fosse você, media as palavras.
– Não! Quem paga meu salário e o seu são os meus fãs, e fazer um álbum com sete músicas não rola, para mim isso é desrespeito com eles. – Se levantou. – E também quero que esse álbum seja algo diferente, inspirador, quero mostrar para os meus fãs o que sinto, que sou gente como eles, mostrar que tenho medos, problemas, como toda pessoa. Quero que esse novo álbum me reinvente, mude a imagem que eles têm de mim como cantora e como pessoa. – Tony quis interrompê-la, mas Mark fez sinal para que deixasse a moça falar. – Eu quero poder estar à frente disso, dar as cartas de agora em diante e, se eu não puder fazer nada disso, então sinto muito, mas não faço álbum nenhum – disse, soltando o ar, e encostando-se à parede.
– Muito bem! – disse Mark. – Se você quer assim, que seja! Mas vou deixar bem claro que se esse álbum for um fiasco, você está demitida. – O homem mais velho se levantou, indo em direção à porta. – Se falar novamente comigo dessa forma, eu te demito. A reunião está encerrada!
soltou o ar preso em seus pulmões e se sentiu aliviada, tinha dado o primeiro passo da sua mudança e estava gostando disso.
– Você tá maluca, ? Desafiar Mark desse jeito, você poderia ter falado comigo, poderia ter me avisado e não me pegar desprevenido dessa forma. Primeiro foi aquela coisa com o Evans, depois desafia o cara que assina o cheque. O que vem agora? Vai sair bêbada de alguma balada?
– Ai, relaxa, Tony, por favor! Não estou para briga. Eu quero me reinventar e se te falasse antes, sei que jamais iria me autorizar a falar com o Mark assim. Tudo bem, eu sei que posso ter exagerado no tom e que se nada do que eu estou planejando para esse álbum der certo, vou estar no olho da rua, mas confie em mim, sei o que estou fazendo e só vou conseguir fazer isso cem por cento se tiver você me apoiando. E quanto ao Evans, não sei o que está incomodando você. Teve notícia por acaso?
– Na verdade... – disse Maggie. – Um site especulou sobre vocês dois saindo do evento do Downey juntos, mas nada que não desse para abafar, afinal, sempre sai coisa sua assim, mesmo.
– Eu deveria te enforcar – disse Tony, bufando. – Não apronte mais nenhuma e se for aprontar me avisa antes, se não vai me dar um ataque do coração. O que você planeja para esse álbum?
– Bom, eu quero músicas bem marcantes sabe, quero fazer algumas parcerias também, o que envolve o Nick, mas é difícil explicar. Isso eu só desenvolvo conforme as perguntas vão chegando.
– Tudo bem, – disse Tony. – Agora vamos indo, o jatinho está te esperando.
saiu da gravadora acompanhada de Tony, ela iria para Seattle ver sua mãe e seu melhor amigo, não os via há quase um ano e precisava desse tempo, desse descanso, afinal, colo de mãe é tudo.

XX
Duas semanas depois
A tarde não estava ensolarada, mas também não estava fria. amava tempos assim, a deixavam inspirada.
– Oi mãe, que saudades que eu estou – disse manhosa. – Está tudo bem?
– Oi filha, está tudo bem, sim. E com você? Nem parece que tem uma semana que nos vemos, né, filha?
– Estou bem, cheia de trabalho. Tenho que terminar de gravar um álbum, participar de umas entrevistas, eu estou sem tempo, mesmo.
– As recompensas só chegam se a gente trabalhar duro, filha, lembre-se sempre disso.
– Eu sei, mãe. Falando em recompensas, a senhora tem que vir. Estou querendo comprar uma casa, quero sair desse apartamento e queria que a senhora me ajudasse a procurar.
– Olha, filha, eu vou ver o que eu faço, mas aconteceu algo para você querer mudar?
– Não, mãe, fica tranquila. – Riu fraco. – Só enjoei de morar em apartamento, quero mudar os ares, então a senhora vê se vai conseguir vim e aí eu peço para o Anthony providenciar a passagem, está bem?
– Está bem, filha, eu vou ver aqui. E o Nick, como ele tá? Vi uma matéria dele há uns dias atrás, ele está bonito!
– Ele está bem, mãe. – Sorriu. – Está bonito, mas continua sem vergonha. – A mãe de riu do outro lado.
– Fico feliz que você tenha alguém como ele aí. Às vezes acho que você fica tão sozinha. – Suspirou. – Mas então, filha, se cuida viu? E manda um beijo para o Nick.
– Pode deixar, eu mando, sim. Eu te amo!
– Eu também te amo, filha – disse, por fim.
A mãe de tinha razão, às vezes era solitário, ela sentia falta do amigo e da mãe. Claro, ela tinha amigos em Los Angeles, mas todos eram ocupados, assim como ela. Já estava anoitecendo quando resolveu ir ao mercado, tinha que comprar comida, sua dispensa estava vazia. Desceu até a garagem e pegou sua Lexus preta, ligou a música e seguiu caminho.
acabou demorando mais do que o normal no mercado, acabou se lembrando de que sua empregada Eva tinha pedido para ela comprar umas coisas para casa, coisas essas que sempre se esquecia de comprar e que, por ironia, acabou se lembrando. Passou no caixa e a atendente pediu para tirar uma foto com ela, que aceitou sem problema algum. Quando saiu do mercado, acabou encontrando certo alguém.
? – disse para o rapaz que saía de um táxi. – Nossa, que coincidência! Por acaso está me seguindo? – Disse rindo.
– Ah, oi, . – Sorriu fraco.
– Está tudo bem? – perguntou, vendo que o rapaz estava com os olhos vermelhos.
– Ah, eu estou bem, não é nada! Só uma gripe. Bom, vou comprar umas coisas, tchau!
acenou para o rapaz, que entrou no mercado, e ela continuou a guardar suas compras no carro. Quando entrou no veículo ficou um tempo pensando na cena de pouco tempo atrás, se perguntando se deveria esperar o rapaz para ter certeza se realmente estava bem ou deveria ir embora. Optou em ir pra casa, mas quando deu partida no carro, uma batida no vidro chamou sua atenção, que logo abaixou o mesmo.
– Sei que mal nos conhecemos, aliás, nem nos conhecemos, né? – Riu fraco. – Mas você poderia me dar uma carona?
– Entra! – Disse a garota, destravando a porta do carro.
– Obrigado. Desculpa por tirar você do seu caminho. – Disse um pouco sem graça.
– Ei, está de boa! – Disse a garota, dando ré no carro e saindo do estacionamento. – E então, para onde eu te levo?
– Na verdade eu nem sei. – Disse , olhando pelo vidro do carro, observando a paisagem. Ele ficou em silêncio por mais alguns minutos e resolveu falar. – Sabe, eu achava que fosse para valer.
– Como assim? – Perguntou , confusa.
– Meu namoro. – Riu fraco – Achei que ela me amasse. – viu uma lágrima descer pelo rosto do rapaz.
– Quer desabafar? Só não garanto que meus conselhos serão bons. Aliás, eu tenho menos juízo que qualquer pessoa nesse planeta. – tentou fazer uma graça para quebrar aquele clima pesado, mas não adiantou, o rapaz apenas fez um não com a cabeça. – Então, para onde você quer ir?
– Eu não tenho para onde ir, minha namorada está no apartamento e eu não quero voltar e me lembrar daquela cena. Aliás, minha ex-namorada. – Fechou o olho com força. – Você pode me deixar em algum hotel.
suspeitou um pouco do que tinha acontecido e viu que realmente gostava da sua namorada, ou melhor, ex-namorada. Ele estava olhando a paisagem enquanto lágrimas desciam pelo seu rosto, ela não ia deixar ele em um hotel, era judiação demais. Ele precisava desabafar com alguém porque ele realmente estava mal e tinha esse jeito de ajudar pessoas mesmo sem conhecê-las. Com o silêncio incomodando, resolveu colocar uma música e, em seguida, começou a cantá-la.

Loving can hurt
Amar pode doer
Loving can hurt sometimes
Amar pode doer ás vezes
But it's the only thing that I know
Mas é a única coisa que eu sei
When it gets hard
Quando fica difícil
You know it can get hard sometimes
Você sabe que pode ficar difícil às vezes

Ela acabou percebendo que a música não era ideal para o momento e desligou, seguindo o caminho para seu apartamento no silêncio desconfortante. Sim, ela estava levando para seu apartamento, mas porque não achava certo deixá-lo em um hotel naquele estado. Se a namorada dele tivesse feito o que imaginava, a pior coisa agora seria largá-lo sozinho, ele poderia fazer alguma besteira. Assim que foi entrando no estacionamento do prédio, o rapaz percebeu que não era um hotel.
– Para onde você me trouxe? – Perguntou, secando as lágrimas do rosto.
– Meu apartamento. Vamos, me ajuda com as sacolas. – ficou parado um tempo, olhando sem entender muito. – Por favor, não quero ter que fazer duas viagens.
– Está bem, eu ajudo. – Disse, simplesmente.
Entraram no elevador em silêncio e permaneceram assim até entrar no apartamento. percebeu que era bem aconchegante, a garota fez sinal para que ele colocasse as sacolas na bancada da cozinha e sumiu pelo corredor, voltando alguns minutos depois.
– Tá com fome? – Perguntou e ele concordou com a cabeça. – Gosta de queijo quente? Ou podemos pedir comida.
– Não, queijo quente está ótimo. – Disse, rindo fraco, e se sentando em um dos bancos. – Por que me trouxe aqui? Você nem me conhece.
– Como não? Segundo os jornais, nós somos um casal. – O rapaz não esboçou nenhuma reação. – Ai! Desculpa, , eu não quis... você sabe... – Gesticulou com as mãos.
– Não, tudo bem, mas você não respondeu minha pergunta.
– Eu não sei, só quis te trazer aqui. Não podia largar você em qualquer hotel nesse estado, não sou esse tipo de pessoa. Sabe, eu costumo me ferrar nessas situações, mas se alguém precisa de ajuda eu não consigo negar.
ficou observando a garota sem dizer mais nada enquanto ela preparava o lanche. Ele pensou em dizer algo, mas sempre desistia. A verdade era que ele não sabia o que dizer.
– Pega e leva lá para a sala. – apontou para o prato cheio. – Eu vou pegar o refrigerante.
se sentou ao lado de e serviu o refrigerante no copo, ligando a TV e colocando em um canal qualquer. Pegou um pedaço do queijo quente e começou a comer, fingindo que estava atenta ao que passava na televisão, até que percebeu se mexendo.
– Eu estava gravando – disse e se calou por alguns minutos. – Quando cheguei em casa me deparei com ela na cama com aquele homem. Eu senti tanta raiva, com uma mistura de nojo. – Abaixou a cabeça quando viu olhando para ele.
– Sua namorada, né? – Perguntou e o rapaz concordou, começando a chorar novamente. – Sinto muito, eu sinceramente não sei o que te dizer para te confortar, mas se quiser desabafar, eu estou aqui – disse, colocando sua mão sobre a do rapaz.
– Eu queria bater nele até não aguentar mais, só queria descontar a raiva nele, mas eu fui fraco, virei às costas e saí andando. Ela ainda disse que não era o que eu estava pensando. – Suspirou, encostando-se ao sofá e bebendo um pouco do refrigerante. – Eu só queria esquecer, apagar ela da minha vida.
– Você não foi fraco ao sair andando – disse , compreensiva. – Foi muito forte, isso sim, porque se fosse eu, pode ter certeza que batia nos dois. – Riram juntos. – Você vai superar, pode ser difícil, pode doer e parecer que essa dor nunca vai passar, mas acredite, ela passa. Quando perceber, isso vai ser só mais uma fase ruim que ficou no passado e você vai se ver feliz e completo sozinho, ou com outra pessoa ao seu lado, te dando o valor que sei que tem e merece.
– Obrigado – disse e a garota assentiu com a cabeça. – Não, é sério! Obrigado mesmo por dizer essas coisas. – Riu de lado.
– Vai chegar um dia que você vai se lembrar dessa conversa aqui e vai ver que eu estava certa. – Ele riu.
– Talvez você tenha razão. – Riu, comendo o lanche, e virou sua atenção para a TV, percebendo que havia colocado em um filme de ação que ele gostava.
– Já assistiu? – Perguntou, apontando para a TV. – Sei que eu já perdi as contas de quantas vezes vi esse filme – disse a garota.
– É um dos meus favoritos, principalmente na cena em que ele acerta o helicóptero com a viatura.
– Eu acho essa cena tão forçada, mas confesso que na primeira vez que vi achei muito legal.
– Não é forçada, isso pode acontecer, sabia? Nada é impossível – disse o rapaz, rindo.
– Claro, até porque acertar um helicóptero no céu, com uma viatura, é algo que vemos todo dia – disse irônica.
– Está bem, talvez você tenha um pouco de razão, mas bem pouco mesmo. – Riu, recebendo um soco no ombro.
Ficaram assistindo o filme e às vezes comentavam algo relacionado às cenas, nada muito importante.
– Eu já vou indo, . Obrigada por ter me dado abrigo. – Riu.
– Já vai? Tem certeza? Vai dormir onde? – Perguntou , se levantando junto com o rapaz.
– Eu durmo em um hotel, não se preocupe. Obrigado de novo por ter me escutado e me trazido para cá.
– Tem certeza? Se quiser dormir aqui tem um quarto de hóspedes. – O rapaz negou com a cabeça, indo em direção à porta e abrindo a mesma. – Então está bom, me dá seu celular. – esticou a mão para que o rapaz entregasse o aparelho. – Vou colocar meu número aqui e qualquer coisa me liga, está bem?
– Está bem – disse, pegando o aparelho de volta e dando um beijo no rosto da garota. – Obrigado de novo e boa noite.
– Boa noite, se cuida! – disse e logo fechou a porta.
Recolheu a louça suja e levou para a cozinha, desligou a TV e foi tomar um banho, estava cansada e também já se passava das três da manhã. Ela se deitou na cama e logo pegou no sono.

 

Nota da autora: Oi gente, se você está lendo isso, é porque tirou um tempinho e leu minha fic, e lhe agradeço por isso. Change Your Life é minha primeira fic de outras que já tenho por esse universo de fanfics, mas foi com ela que entrei para esse mundo como escritora. Muita coisa vai acontecer então se preparem. Para ficar por dentro de tudo me sigam no Instagram. Até o próximo capítulo, e não se esqueça do comentário, eles são mega importante 😉